Laboratório Rodolphe Mérieux e Centro de Infectologia de Charlie Mérieux

No dia 19 de abril de 2016, Vossa Excelência Sebastião Afonso Viana Macedo Neves, Governador do Estado do Acre, e Vossa Senhoria Alain Mérieux, Presidente da Fundação Mérieux, inauguraram o Laboratório Rodolphe Mérieux e o Centro de Infectologia Charles Mérieux no Hospital das Clínicas (Fundhacre) de Rio Branco. A construção deste centro, com uma área de 400 m2 incluindo 245 m2 de laboratórios, é o fruto de uma parceria entre o Estado do Acre, a Fundhacre, a associação SOS Amazônia, a Universidade Federal da Bahia / Complexo Hospitalar prof. Edgar Santos (Salvador – Bahia) e a Fundação Mérieux.

O laboratório irá assegurar as seguintes missões:

SERVIÇO: Oferecer aos pacientes um diagnóstico de qualidade para a melhoria dos cuidados

TREINAMENTO: Contribuir para a formação de estudantes em biologia clínica e doenças infecciosas

PESQUISA: Conduzir projetos que tratam de questões de saúde pública no Brasil

O Laboratório Rodolphe Mérieux vai realizar testes de rotina, exames especializados para as hepatites – um grande problema de saúde pública na região -, bem como a vigilância das doenças infecciosas no contexto de programas de pesquisa. Este possui um laboratório com um nível elevado de biossegurança (NB-3), o único nesta região. Também inclui três laboratórios de nível NB-2 e áreas dedicadas à biologia molecular.

Criados no centro de focos infecciosos nos países em desenvolvimento, os oito Laboratórios Rodolphe Mérieux satisfazem os mais elevados padrões internacionais e têm um papel na vigilância epidemiológica, na pesquisa e formação em todas as regiões onde estão implantados.

O Centro de Infecciologia Charles Mérieux na luta contra as hepatites virais no Brasil

As hepatites virais constituem um grave problema de saúde pública na região amazônica.

Todas as hepatites virais na Amazônia têm caraterísticas clínicas e epidemiológicas específicas que diferem das do resto do país. Estas infeções são predominantes na população mais jovem, e isto conduz a um número significativo de pacientes com doença hepática avançada e carcinoma hepatocelular antes dos 20 anos de idade.

Nos últimos anos, alguns centros de referência em hematologia foram reforçados na região amazônica, especialmente nos estados do Acre e de Rondônia. Uma rede para a gestão do fluxo de pacientes foi constituída e os cuidados farmacêuticos clínicos para o tratamento destas doenças foram desenvolvidos e disponibilizados pelo sistema nacional de saúde (Sistema Único de Saúde) no Brasil.

A criação do Centro de Infecciologia Charles Mérieux e do Laboratório Rodolphe Mérieux vai permitir superar uma etapa importante na luta contra as hepatites virais envolvendo milhares de pacientes, através da formação dos recursos humanos e do desenvolvimento da pesquisa básica e clínica na região.

A Amazônia brasileira é a única região do país onde o vírus da hepatite Delta é endêmico, sobreinfetando 5 a 20% dos pacientes com hepatite B.

A hepatite B tem uma prevalência elevada: 3 a 20% da população é portadora do vírus da hepatite B (VHB). A hepatite C tem uma prevalência de 3%, considerada três vezes mais elevada do que a observada no resto do país.

A Fundação Mérieux no Brasil

Um compromisso histórico no campo da saúde

A Fundação Mérieux participa de uma longa tradição de intercâmbio e cooperação franco-brasileira no campo da saúde.

Este laço histórico começou em 1974. Quando o Dr. Charles Mérieux, fundador e presidente da Fundação Mérieux, tomou conhecimento da epidemia de meningite A que assolava o país, ele foi imediatamente para Brasília e se reuniu com o Ministro da Saúde, Paulo Almeida Machado. A Fundação Mérieux uniu as suas forças com o Instituto Mérieux (hoje Sanofi Pasteur) para conter a epidemia. Seu filho, Alain Mérieux, Presidente do Instituto Mérieux, decidiu construir urgentemente uma unidade de produção de vacinas contra a meningite, que permitirá, em 1975, a vacinação de toda a população do Brasil, ou seja 103 milhões de vacinas. Uma ponte aérea foi estabelecida entre Lyon e as grandes cidades brasileiras para implantar a maior operação de saúde pública já realizada.

A rede GABRIEL

O novo Laboratório Rodolphe Mérieux de Rio Branco fará parte de uma rede de pesquisa iniciada em 2008 pela Fundação Mérieux, a rede GABRIEL (Global Approach to Biological Research, Infectious diseases and Epidemics in Low-income countries). A rede reúne cerca de vinte laboratórios públicos e privados nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Estes laboratórios estão colaborando em projetos de pesquisa sobre doenças infecciosas com impacto significativo na saúde pública, especialmente a tuberculose multirresistente e as pneumonias graves.

O Brasil possui 2 outras instituições membros:

Fundação Oswaldo Cruz

Laboratório Nacional de Computação Científica

Projeto de pesquisa da Rede GABRIEL no Brasil

Programa de vigilância para a gripe severa

Este estudo piloto tem como objetivo documentar casos de gripe severa para identificar as estirpes responsáveis e avaliar a eficácia da vacinação. O estudo é realizado em 3 estabelecimentos clínicos no Brasil: Fortaleza (Estado do Ceará), Rio de Janeiro e Porto-Alegre (Estado do Rio Grande do Sul). O projeto é realizado no âmbito do Global Influenza Hospital Surveillance Network (GIHSN), uma parceria pública – privado iniciada pela Sanofi Pasteur em 2011.

Estudos multicêntricos da rede GABRIEL

Os membros brasileiros da rede GABRIEL contribuem para os programas internacionais de pesquisa, realizados em vários centros da rede:

Estudo epidemiológico para identificar patógenos responsáveis de pneumonias severas em crianças menores de cinco anos

O objetivo deste estudo é identificar os agentes virais e bacterianos associados às pneumonias severas em crianças hospitalizadas menores de cinco anos para determinar a distribuição etiológica e sua implicação na pneumonia.

Desenvolvimento de ferramentas de diagnóstico para a tipagem de Streptococcus pneumoniae pela técnica de PCR multiplex em tempo real

Sobre a Fundação Mérieux

Fundada em 1967, a Fundação Mérieux é uma fundação familiar independente, presidida por Alain Mérieux e reconhecida de utilidade pública. Sua missão é contribuir para a saúde global, através do reforço das capacidades locais nos países em desenvolvimento para reduzir o impacto das doenças infecciosas nas populações vulneráveis.

Presente em vinte países, sua ação é baseada em três objetivos:

– Reforçar as capacidades de pesquisa locais através da formação de pesquisadores, criando ferramentas de diagnóstico e desenvolvimento de programas de colaboração para doenças que afetam os países em desenvolvimento;

– Aumentar o acesso das populações vulneráveis ao diagnóstico através do reforço da capacidade da biologia clínica em sistemas nacionais de saúde;

– Promover o diálogo e a partilha de conhecimentos entre os profissionais de saúde para contribuir para a disseminação do conhecimento e para o desenvolvimento de projetos inovadores.

Para mais informações: www.fondation-merieux.org

Contato de mídia

Fondation Mérieux

Koren Wolman-Tardy

Tel.: +33 6 13 94 51 14

koren.wolman-tardy@fondation-merieux.org